O que mancha

por Beatriz Sano e Eduardo Fukushima

espetáculo | Dança Contemporânea

sexta feira, 26/11 às 20h

40 min | 16 anos

Presencial | Sesc 24 de maio - Rua 24 de maio, 109, República, São Paulo

R$40 (inteira) R$20 (meia)


O QUE MANCHA é a primeira peça de dança da dupla Beatriz Sano e Eduardo Fukushima. Os dois dirigem e dançam, no trânsito entre os papeis de coreógrafos, diretores e dançarinos, borram os limites entre dentro e fora do palco.

É na relação sempre a partir de dois que a peça foi realizada. A cada ensaio, pelo menos duas vozes, dois corpos, múltiplos olhares. Durante o percurso também foi possível afirmar diferenças: os corpos além de manchados, misturados, marcam aquilo que os diferenciam.

A pesquisa da peça começou em residência artística na Polônia em 2018, colocando os dançarinos na experiência de longas caminhadas à deriva, onde passaram pela reconstruída cidade de Varsóvia, um lugar historicamente marcado pela guerra, uma cidade exprimida no passado entre dois regimes fascistas: o nazismo e o comunismo stalinista; Também caminharam pelos campos de concentração em Auschwitz. A experiência foi marcante e impossível não sentir os ecos do contexto sanitário-político-econômico-social do Brasil, com um governo que cada vez mais evidencia práticas autoritárias e assassinas. Como preservar espaços de abertura e sensibilidade em tempos distópicos como o que estamos atravessando? 

A pesquisa corporal de O que mancha parte de técnicas corporais asiáticas em que exercícios de vibração do corpo abrem caminhos para a relação entre voz e movimento, e permitem desestabilizar as noções de dualidade entre voz e corpo, humano e animal, mulher e homem, matéria viva e matéria morta. Os corpos vibram e se confundem produzindo uma possível comunicação que transforma riso e choro,  ruído e melodia, barulho e silêncio. São duas existências que possibilitam alargar os imaginários de suas relações.

Os sons emitidos pelos artistas são captados e retrabalhados ao vivo numa mesa de edição. A pesquisa sonora foi trabalhada em conjunto com uma dupla de músicos-engenheiros de som:  Rodolphe Alexis e Miguel Caldas. O espaço cênico e a iluminação são criações de Hideki Matsuka. A dramaturgia é de Júlia Rocha e Isabel Ramos Monteiro é responsável pela produção.

A estreia da peça, prevista para 2020, teve que ser adiada, e com isso, ao longo da pandemia, O que mancha aconteceu em diferentes formatos: um vídeo-dança produzido com recursos do ProAC Expresso LAB Aldir Blanc (2021) e a captação e transmissão ao vivo pela Bienal Sesc de Dança de 2021.


Ficha técnica:

Co-direção, concepção e dança: Beatriz Sano e Eduardo Fukushima

Dramaturgia: Júlia Rocha 

Desenho de luz e Espaço cênico: Hideki Matsuka 

Assistente de iluminação e operação: Igor Sane 

Criação sonora: Miguel Caldas, Rodolphe Alexis, Beatriz Sano e Eduardo Fukushima

Captação de áudio: Miguel Caldas e Rodolphe Alexis

Adaptação de som e composição ao vivo: Chico Leibholz

Fotos: Paula Ramos, Wojciech Gałuszka e 

Figurino: Beatriz Sano, Eduardo Fukushima e Júlia Rocha

Produção: Isabel Ramos Monteiro

Gestão administrativa: Cais Produção

  • 26/11/2021
  • Sexta-feira: 20:00 - 20:40
  • De R$ 20,00 à R$ 40,00
  • 16 anos
  • Website: http://sescsp.org.br/24demaio
  • Local: Sesc 24 de maio
  • Endereço: Rua 24 de maio, 109, República, São Paulo,
  • Acessibilidade: Não