Nada mais seria como antes

por Estranha Companhia de dança-teatro

espetáculo | Todos os estilos de dança

Apresentação dia 10 de Junho de 2021 às 19:30

Oficina dia 11 de Junho 10hrs-12hrs. 

Link para as ações: https://linktr.ee/usinacultural21

Instagram: https://www.instagram.com/usina_cultural/

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCjuASX98avVsbWd5cpONt6w


O espetáculo solo “Nada mais seria como antes”(2020), é o primeiro trabalho e estreia a Estranha Companhia de dança-teatro, o projeto surge após a decisão de continuar o projeto de pesquisa do trabalho de conclusão de curso da Universidade Estadual de Londrina intitulado “Notas Nômades: Cartografia do CsO em Antonin Artaud” (2019) ,(trabalho concebido por apoio da CNPq e teve como resultado a publicação do artigo no dossiê Antonin Artaud da revista de Pós-Graduação Ephemera) escrito pelo diretor e responsável artístico Gabriel Paleari.

“Nada mais seria como antes” (2020), com o apoio da Usina Cultural, espaço cultural experimental de Londrina-PR. Foi o trabalho concebido por essas ideias da pesquisa, resultado de questionamentos entre o que poderia ser um espetáculo cujo desejo seja o amadurecimento do sujeito e sua relação com o meio social,

-Estou na sala, os pensamentos que me invadem agora são os menos importantes, e foco em apenas alguns pontos no espaço, fico pelos cantos, quase como uma forma estratégica,   —caso o terreno fique instável, desconfiado e escorregadio —. Mas de lá, desse canto, eu danço, tímido, angustiante. Ainda caibo nesses cômodos?  A partir desse momento, nada mais seria como antes.

O espetáculo estreou em 2020, entretanto, devido a pandemia, teve apenas uma apresentação física, durante este período passou a ser adaptado na casa do artista, na qual, as questões continuaram a mesma, entretanto, devido às adaptações para uma nova mídia e a falta de público, transformou em uma segunda coisa provida de suas próprias conexões e estéticas, cujo o nome do dance-video é Estranha Companhia, que o tema modificou-se para uma figura tímida em sua casa enquanto, em um ambiente completamente misterioso e enigmático como esses tempos em que vivemos, trancado em sua casa, é assustado por um toque da campainha, quem seria aquele do outro lado? O dancevideo estreou no Instagram, no perfil das Arenas das Artes, espaço cultural em Maringá-PR, que convidou a Estranha Companhia a realizar esta ocupação artística mesmo que virtual. O dancevideo também foi honrado por ser pré-selecionado para o Mobile Dance Film Festival em Nova York.


Pesquisa

Nesta pesquisa concebia uma análise e experimentação do corpo, experimenta-se neste corpo as suas aspirações e desejos, sem separar as questões existenciais, artísticas e pessoais do artista, desse modo, assim como Antonin Artaud, concebeu uma linguagem própria, em nossa compreensão, o desejo de criar formas, é um processo de amadurecimento e desenvolvimento pessoal e artístico. O desejo para a Estranha Companhia, em continuação, é a capacidade do dançarino em sentir e experimentar as capacidades transformativas do gesto e assim, comunicar aos outros esta experiência guiada. É por esta esfera de concepção e realização dos desejos, que operamos o real, guiar a experiência neste parâmetro, é dar auspícios para uma estética experimental que circula o acontecimento com a expressão do desejo enquanto modos de ação.

Para a concepção do espetáculo, mediamos a pesquisa através do conceito psicanaliticos “Nome do pai” desenvolvido por Jacques Lacan (1901-1981), a partir da postulação: “somente quando reconheço o Outro em sua dimensão fundacional, posso eu advir como portador de uma identidade. Minha fala não é por si só uma revelação do ser, a não ser que inclua o Outro como uma instância capaz de legitimar o lugar que ocupo”.  

A formação do eu e a relação simbólica, conceitos estes que contribuíram para provocar no ator em sua experimentação um contato mais íntimo com a plateia, que assiste não mais como sua figura de espectador, mas  agora, como algo além das expectativas de olhares entre o que espera um do outro. Mas de uma troca afetiva, que tem o objetivo de aproximar o olhar que olha outro ser humano à sua frente.


Encenação

Para o espetáculo foi criado a partir da situação que desafia o artista em sua premissa mais básica, se apresentar ao público, a partir dessa premissa, vagueia-se em gestos abstratos ao mais concretos que a partir deste fluxo se relaciona com o espaço vazio, minimalista que  abre-se nesse universo imaginativo, uma busca infantil, a casa em que foi criado, e os acontecimentos desse ambiente corporal que necessita amadurecer, encontrar soluções para o problema existencial e social, e as luzes do espetáculo que criam a atmosfera em reunião com a plateia e o músico, Lucas Procêncio, que em sua linguagem experimental musical, dialoga com sua música original com o ator em cena, este diálogo, cria-se esta fricção de movimentos e sons do Contra-baixo.

Do espaço vazio, as luzes concebidas pelo João Mosso, diretor do grupo teatral Experimento Abohra, introduzem uma camada de percepção entre cores e sombras, um desejo de criar uma realidade que combine estes elementos do espetáculo para uma experiência mais íntima com o público. Que através do corpo, situação e música, sobressai o figurino concebido pela Designer de moda Cindy Tiemi Amano, que em seu trabalho profissional desenvolve uma relação única entre os movimentos e a roupa que o ator veste, transformando as capacidades narrativas do espetáculo.

O corpo do dançarino evoca uma adaptação entre o espaço imaginário concepção multifacetada do papel do ator, saindo de seu papel representativo, e desafiando-se em uma figura performativa que constrói situações e problemas, a fim dessa resolução consistir no acontecimento cênico. Deste acontecimento, situa-se o sujeito ator e seu ambiente subjetivo e sua problemática central, lidar com o corpo tímido, e seus resultados gestuais.


Ficha Técnica

Espetáculo: “Nada mais seria como antes” da Estranha Companhia de dança-teatro

45 minutos de apresentação sem interrupções.

Direção, Pesquisa de linguagem e apresentação: Gabriel Paleari

Composição sonora: Lucas Procencio

Iluminação: João Mosso

Figurino: Cindy Tiemi Amano

  • De 10/06/2021 até 11/06/2021
  • Quinta-feira: 19:30 - 20:15
  • Sexta-feira: 10:00 - 12:00
  • Entrada gratuita
  • 12 anos
  • Website: https://linktr.ee/usinacultural21
  • Local: Online
  • Endereço: Online,
  • Acessibilidade: Não