E MAR ANHA DO

por COLETIVE DANÇAS EM TRANSIÇÕES (FRA) (SP) (RJ) (PA) (MG) (MS) (PI) (AL) | FESTIVAL PANORAMA RAFT

espetáculo | Todos os estilos de dança

Data: 26 set

Horário: 19h

Local: http://panoramafestival.com/2021-raft/coletive-dancas-em-transicoes-e-mar-anha-do/

Gratuito


E MAR ANHA DO guia travessias e ritualiza memórias de 11 pessoas trans, não-bináries e bixas, corrompendo o cotidiano, aterrando universos e vislumbrando ebós de cura, desabafos, provocações, reflexões, afetos, angústias, revoltas e imaginações de futuros. Exploramos a forma como essas configurações afetam nossas maneiras de nos movermos no mundo e na cena, com foco na experimentação de ferramentas de transições de danças e de autonarrativas poéticas. As práticas compartilhadas durante a criação lidaram com alterações de estados corporais como ignições para pesquisa de movimento, tendo como ponto de partida o espectro das invisibilidades, dos desejos, da coletivização das narrativas individuais, de mergulho e imersão em si e no outro. Exploramos movimentos individuais-coletivos que tangem nossas questões de transformação de gênero e suas intersecções com masculinidades dissidentes, aspectos étnico-raciais e territoriais, dentre outros. Também navegamos por desenhos, caligrafias, cartografias de ações “domestic-specific”, improvisações de som e movimento a partir de textos teóricos, explorações sobre presença, apresentação e decomposição de matérias orgânicas, poesias, estudos sobre drags & monstres, escritas automáticas e rituais para trovoadas, chuva, fogo e transição-do-mundo.

Construído por meio de uma quimera virtual, E MAR ANHA DO arregaça a crise de paradigmas não só ambientais e econômicos, como a do próprio ser: não somos bináries, fixes ou úniques no universo, somos teias complexas em perpétuo movimento em mundos bioculturalmente diversos e em metamorfose. Além de potencializar a criação de novas ferramentas artísticas, esta quimera virtual teve um importante papel enquanto criação de rede de interlocução única entre artistas de diferentes contextos e localidades brasileires que muitas vezes encontram-se isolades e criando solitariamente, uma realidade comum para artistas gênero dissidentes que não só antecede a pandemia atual como é por ela agravada.

E MAR ANHA DO nasceu de uma residência virtual proposta pelo Centro Cultural São Paulo em fevereiro de 2021 e tem a participação de artistas residentes em seis estados brasileiros que nunca se encontraram fora da virtualidade – escrevemos de Parnaíba, Teresina, Corumbá, Maceió, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São José do Rio Pardo e São Paulo. Ê Coletive tem mediação e provocação de Pol Pi, coreógrafo trans brasileiro baseado em Toulouse, na França. A teia dramatúrgica do filme foi tecida através da captação de encontros virtuais e da produção individual de materiais audio-visuais entre fevereiro e agosto de 2021. Não se trata de um espetáculo de dança ou de um documentário, mas de um filme cujo formato nasceu de nossos desejos de compartilhamento de práticas criativas e de vida. Nesse processo, lançamo-nos no desafio de questionar a linguagem audiovisual através de nossos olhares desconstrutivos, encontrando uma maneira nossa, transitória como nossas danças e existências, de filmarmos e sermos filmades. O compartilhamento de práticas e processos foi assim encarado enquanto obra, pois o que nos interessa e nos move é justamente este espaço transitório de reinvenção que questiona os próprios formatos aos quais estamos acostumades enquanto “resultados” validados no contexto da dança contemporânea e da performance.

Nós nunca nos tocamos. Mas sabemos que estamos na casa uns dos outros. Nós queríamos muito nascer. Vamos começar. Você entra pela porta da cozinha pra mostrar a grama que se deita lá fora com uma misteriosa velocidade. Sabemos que há cheiro de trovoada no ar. Nós ainda não podemos nos tocar. Há toalhas dançando presas em varais como se sorrindo respirassem. Um quintal com um ciclo repleto de cadeiras descansa habitado pelo invisível. E aí, quando de repente você sai do jardim e aponta a câmera para o céu… um pássaro atravessa o espaço. Nós sabemos que há muitas canções sem começo nem fim. Fechamos os olhos e inventamos outro lugar. Alguém sai do silêncio. É só uma voz. Eu gosto dos seus cabelos. Cada um escolhe uma folha ou abre uma gaveta. Reconhecemos emaranhados de possibilidades. Eles não nos reconhecem. Nós não nos reconhecemos. Abissais abismos do outro. Mas o microfone não liga. Você ainda está aí? Ela indaga a legitimidade da felicidade. Ele fica de cabeça pra baixo. Elu espanca algumas cartas. É viagem sideral. De sua coluna escorreu uma gota. Nós comeríamos a terra. Nós somos o outro. Nós somos você.


FICHA TÉCNICA

Criação, performance e captação de imagens Adda Risoppe, Alan Athayde, Brisas Project, Fabi Ferro, Ernesto Filho, Fernanda Silva, Ian Habib, Kaetê Okano, Patfudyda, Pol Pi, Reginaldo Oliveira

Mediação e provocação Pol Pi

Dramaturgia Adda Risoppe, Brisas Project, Fabi Ferro, Ernesto Filho e Pol Pi

Edição Ernesto Filho

Trilha-sonora Adda Risoppe, Alan Athayde, Brisas Project, Ernesto Filho, Kaetê Okano e Pol Pi

Pós-Produção de Áudio Leões da Baea (Plank T.Punk e Pobutaí)

Design digital Brisas Project

Fotografia da capa Kaetê Okano

Mídias sociais Brisas Project, Fabi Ferro e Kaetê Okano

Assessoria de Imprensa Ian Habib

Apoio Sônia Sobral, Museu Transgênero de História e Arte

Produção Danças em Transições

Direção de produção Pol Pi

Produção executiva Fabi Ferro, Fernanda Silva, Ian Habib

Coprodutores do Danças em Transições Ballet National de Marseille, Latitudes Contemporaines e La Briqueterie 

  • 26/09/2021
  • Domingo: 19:00 - 20:00
  • Entrada gratuita
  • livre
  • Website: http://panoramafestival.com/
  • Local: Online
  • Endereço: Online,
  • Acessibilidade: Não